DestaquesGeral

Chocolate Yanomami é ´grito` contra garimpo e ameaça aos indígenas da Amazônia

Produto é lançado no Festival pelos Povos da Floresta

O primeiro lote de Chocolate Yanomami,  apresentado ao público no Festival pelos Povos da Floresta, que acontece  no Mercado de Pinheiros, em São Paulo, é produzido com cacau nativo beneficiado na comunidade Waikás, em Roraima,  e transformado em 1.000 barras de 50g pelo ​chocolatier ​César de Mendes, no Pará.  Sua formulação conta com 69% de cacau, 2% de manteiga de cacau e 19% de rapadura orgânica.

“As entidades da floresta desceram aqui na fábrica e trouxeram um perfume que não tínhamos experimentado antes. É fora da curva”, brinca Mendes. “Ele é um chocolate com presença na boca. Tem persistência prolongada e agradável, com doce equilibrado.”

O chocolate com o sabor da floresta

A ideia de produzir um chocolate partiu de lideranças Ye’kwana, que buscavam gerar renda adicional para as comunidades e bater de frente com a lógica destrutiva do garimpo, que assedia e ameaça as comunidades. Os Ye’kwana se deram conta de que a floresta oferece outro “ouro”: o cacau nativo. O fruto que dá origem ao chocolate é endêmico na área.

Em julho de 2018, teve lugar na comunidade Waikás uma oficina promovida pela Associação Wanasseduume Ye’kwana, com apoio do Instituto Socioambiental (ISA) e parceria do Instituto ATÁ, para que Mendes mostrasse aos indígenas de diferentes comunidades as técnicas de colheita e processamento dos frutos do cacau para produção da matéria-prima para chocolates finos.  Naquela oportunidade, algo histórico aconteceu: foi produzida a primeira barra de chocolate da história da

Terra Indígena Yanomami

O garimpo é ameaça à sobrevivência

“Nós temos muitos conhecimentos da floresta. Fazemos cestaria, artesanato e vimos que esse nosso conhecimento pode gerar renda para as comunidades”, explica Júlio Ye’kwana, liderança local que estará em São Paulo para o lançamento de seu produto. “A gente estuda na cidade que o chocolate é feito do cacau. E vimos que uma plantação de cacau seria uma alternativa ao garimpo”, diz ele sobre os próximos passos do projeto, como o plantio de até 7 mil pés de cacau até 2021.

Para ele, o desenvolvimento do trabalho com o cacau é uma maneira de mostrar ao mundo a realidade e o modo de vida das comunidades, além de ser bom e saudável. “Nós temos riqueza na natureza e não no subsolo. Temos riqueza aqui em cima e não precisa destruir. Em vez de destruir a gente planta mais, sem deixar ferida na nossa terra. A natureza não vai ficar irritada”, diz Júlio.

O cacau como símbolo de resistência

A previsão é que um total de 1.142 pessoas, de cinco comunidades, sejam beneficiadas pelo projeto do Chocolate Yanomami.

Segundo Júlio Ye’kwana, as comunidades estão animadas para trabalhar com o cacau e acreditam que, como o chocolate,​ iniciativas para gerar renda de forma sustentável são estratégicas para ,​ oferecer alternativas ao garimpo, sobretudo para os indígenas mais jovens. Com a intenção do presidente Jair Bolsonaro de liberar garimpo em terras indígenas – e de afirmar reiteradas vezes seu interesse na Terra Indígena Yanomami – a relevância destas iniciativas fica ainda maior para unir as comunidades e fortalecer a resistência contras os invasores e inimigos
Histórico de destruição

A Terra Indígena Yanomami (TIY) é a maior do Brasil com 9,6 milhões de hectares e nela vivem os povos Yanomami e Ye’kwana, com populações de 25 mil pessoas e 700 pessoas, respectivamente, distribuídas em 321 aldeias. Considerado como ‘povo de recente contato’, os Yanomami são o maior povo indígena do planeta que mantém seu modo de vida tradicional. Constituem um conjunto cultural e linguístico composto de, pelo menos, cinco subgrupos que falam línguas diferentes de uma mesma família: Yanomam, Yanomami, Sanöma, Ninam e Yanoamë. (texto e fotos: Instituto Socioambiental)

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar